Show Less
Restricted access

A circulação literária e cultural

Series:

Edited By Jose Luis Jobim

Uma questão importante para os estudos literários é a circulação de obras além de seu lugar de origem. Muitos outros aspectos devem ser levados em consideração também, como a posição assimétrica dos autores e de suas obras na circulação internacional, condicionada pela posição relativa de línguas e culturas em um mercado global. Este volume estuda a circulação literária e cultural e inclui ensaios que exploram este tópico tanto em estudos de caso, analisando obras e autores de diversas literaturas e culturas, quanto em discussões sobre questões teóricas referentes à circulação e a tudo que ela implica: temporalidade, lugar, método, objetos materiais e conceitos.

Show Summary Details
Restricted access

3 Circulação como princípio constitutivo (Fabio Akcelrud Durão)

Extract

← 52 | 53 →

FABIO AKCELRUD DURÃO

3    Circulação como princípio constitutivo

I

Embora aparentadas, recepção e circulação são noções bastante distintas nos estudos literários. O que possuem em comum é apontarem para uma nova dimensão textual, que no mínimo complementa, mas amiúde chega a desafiar, a noção usual das obras como entidades autônomas e autocontidas. O modo como isso se dá na estética da recepção é bem conhecido. Em suas diferentes tendências ela mostrará, por exemplo, que qualquer artefato será sempre lido a partir de um horizonte de expectativas que o configura antes mesmo que sua primeira palavra seja decifrada (Hans Robert Jauss); ou que objeto literário algum é capaz de evitar lacunas estruturais que devem ser preenchidas pelo leitor atento (Wolfgang Iser); ou mesmo que um pacto implícito sobre o que vale como literatura sempre estará subjacente à compreensão dentro de uma comunidade interpretativa determinada (Stanley Fish). Para evitar um equívoco comum, é bom ter em mente que, sob essa perspectiva teórica, a recepção desempenha um papel ativo no processo de formação do sentido; portanto, não é correto pensar, digamos, que determinado romance foi primeiramente recebido na Europa e depois no Brasil, como se houvesse um núcleo do significado e a leitura trouxesse algo complementar, uma espécie de acréscimo ademais dispensável. Talvez o que haja de mais instigante nas teorias...

You are not authenticated to view the full text of this chapter or article.

This site requires a subscription or purchase to access the full text of books or journals.

Do you have any questions? Contact us.

Or login to access all content.