Show Less
Restricted access

Calvet de Magalhães: Pensamento e Acção

Isabel Maria Freitas Valente

O presente livro pretende evidenciar até que ponto o pensamento e a acção do Embaixador José Thomaz Calvet de Magalhães (1915–2004), pioneiro da chamada diplomacia económica e um dos protagonistas da nossa adesão à Europa, foram importantes nesse processo.
Visa-se, ainda, demonstrar que a procura de um caminho europeu para Portugal e de uma relação sólida com os Estados Unidos se constituiu como parte essencial da sua actividade diplomática e intelectual, como campo de aplicação do exercício da diplomacia pura. Neste quadro, não deixa de ser importante relevar que essa procura de uma certa abertura de Portugal à Europa e ao mundo ocorre, numa época e num país ainda marcados, na sua política externa e de segurança, pelo pensamento geopolítico atlantista ou pelo isolacionismo nacionalista.
Ao analisarmos a vida e obra deste diplomata descobrimos o sinete do liberalismo, do humanismo kantiano e da interculturalidade. Pensamento e voz que, ontem como hoje, continuam de viva actualidade, que souberam aliar a graça do estilo à elevação do seu ideal – a diplomacia como sinónimo de paz e o caminho euro-atlântico para Portugal. Calvet de Magalhães foi protagonizando a história da participação de Portugal nos movimentos europeus, sempre crítico em relação ao desinteresse manifestado pelos portugueses relativamente aos assuntos europeus, lastimando a hostilidade e a descrença das autoridades políticas.
Show Summary Details
Restricted access

Introdução

Extract



Tout est possible dans les moments exceptionnels à condition que l’on soit prêt. Jean Monnet, Mémoires, Fayard, 1985.

Quando se comemoram trinta anos da adesão de Portugal às Comunidades Europeias, e numa fase em que a problemática da construção europeia justifica uma atenção muito especial porque se dispõe “já de uma experiência esclarecedora de mais de meio século, mas se avizinham desafios novos e difíceis a que se tem que dar a resposta mais adequada”,1 justificar-se-á uma atitude de interrogação sobre a existência, ou não, em Portugal, de uma reflexão profunda e de um esclarecimento suficiente acerca das questões europeias.

A este propósito, não deixa de ser oportuno referir que o interesse da historiografia portuguesa em relação à história da construção europeia é tardio. A partir da década de 90 começam a surgir os primeiros estudos académicos de cariz historiográfico acerca destas temáticas. Facto que, talvez se explique, em primeiro lugar, porque com “o fecho do ciclo imperial, a Europa veio ocupar o vazio deixado pelo Império no imaginário português. A Europa torna-se parte integrante plena de Portugal como Estado-membro da União Europeia, desenha-se uma procura de legitimidade retrospectiva do Portugal europeu. [Em segundo lugar, porque] o avanço da História Contemporânea portuguesa fez da história da construção europeia um dos seus objectos...

You are not authenticated to view the full text of this chapter or article.

This site requires a subscription or purchase to access the full text of books or journals.

Do you have any questions? Contact us.

Or login to access all content.