Show Less

Mio Cid e D. Sebastião

Construções de unidade e diferença nas literaturas ibéricas do século XX

Series:

Lydia Schmuck

Mio Cid e D. Sebastião são figuras centrais no discurso identitário da Península Ibérica. Sobretudo no século XX, marcado por transformações políticas, servem para tomar posição relativamente à situação nacional. O estudo investiga, de uma perspectiva ibérica, o recurso às figuras míticas nas literaturas espanhola e portuguesa do século XX. Exploram-se, por um lado, as construções mútuas de identidade e alteridade e, por outro, os temas que se discutem mediante estas figuras. Situada na intersecção dos Estudos Literários com a Sociologia, a análise centra-se na manifestação literária do discurso mitológico, na sua relação com outros temas e no seu posicionamento no contexto sociopolítico.

Prices

Show Summary Details
Restricted access

2. Bases teóricas e metodológicas

Extract

15 2. Bases teóricas e metodológicas Une nation est un principe spirituel, résultant des complications profondes de l’histoire, une famille spirituelle, non un groupe déterminé par la configuration du sol. Ernest Renan: Qu’est-ce qu’une nation? 2.1 Fundamentação dos conceitos analíticos 2.1.1 A concepção de identidade 2.1.1.1 Identidade como construção posterior Partindo da ideia social construtivista (Berger/Luckmann 1967), este estudo foca-se na identidade colectiva como construto social. Para analisar o modo como a literatura nacional constrói e/ou manifesta a identidade de uma deter- minada nação,6 torna-se necessário definir primeiro o conceito de identidade. Trata-se de uma noção fundamental da sociologia e da psicologia, derivada da palavra latina idem (o mesmo). Do ponto de vista sociológico, a identidade é definida como auto-consciência das pessoas em relação à pertença social, indivi- dualidade e situação própria: […] das mit unterschiedlichen Graden der Bewußtheit und Gefühlsgeladenheit verbun- dene Selbstverständnis (Selbstgewißheit) von Personen im Hinblick auf die eigene Indi- vidualität, Lebenssituation und soziale Zugehörigkeit. (Hillmann 1994: 350) Esta noção ganhou importância na psicologia individual pela primeira vez nos finais dos anos quarenta do século passado. Uma das obras mais importantes para a difusão do conceito de identidade é a de Erik H. Erikson, que criou a expressão I-identity. Partindo das divergências conceptuais entre I e Me surgi- das com a obra de George H. Mead, Erikson fala posteriormente de...

You are not authenticated to view the full text of this chapter or article.

This site requires a subscription or purchase to access the full text of books or journals.

Do you have any questions? Contact us.

Or login to access all content.