Show Less
Restricted access

Vozes femininas de África

Poesia e Prosa

Series:

Anne Begenat-Neuschäfer and Flavio Quintale

A idea do presente volume nasceu durante o VIII Congresso de Lusitanistas da Alemanha, em 2009, em Munique, na seção intitulada Escritoras da África Lusófona. Este volume apresenta os primeiros resultados dos estudos desses discursos literários multi-facetados das autoras africanas de língua portuguesa. Uma introdução poética de Ana Mafalda Leite e uma entrevista de Ondjaki com Ana Paula Tavares completam os ensaios críticos deste volume.
The idea for the present volume arose at the 8th German Lusitanistentag in Munich in 2009, in a sub-session entitled Women Writers in Lusophone Africa. This volume presents a first assessment of the manifold forms of literary discourse of women writers from the Portuguese-speaking countries of Africa. The poetic introduction of Ana Mafalda Leite and the dialogue between Ondjaki and Ana Paula Tavares complete the critical appreciation of the work of creative writers.
Show Summary Details
Restricted access

“O difícil ofício de lavrar a paciência”: Achegas sobre a literatura de autoria feminina em países africanos de língua oficial portuguesa: Tânia Macedo

Extract

Tânia Macedo

O título deste texto remete a um verso do poema “Circum-navegação”1, de Conceição Lima, autora de São Tomé e Príncipe, que em seu mais recente livro, O país de Akendenguê (2011), alude na sétima parte (O coração da Ilha) a um poetar que mergulha as raízes em suas Ilhas/País, inscreve-se na linhagem das avós, mas também é capaz de libertar-se de amarras e “despedir o muro” de quaisquer limitações, por artes da viagem da poesia. A partir do “lavrar a paciência” – expressão que também pode ser lida como uma referência ao seu próprio fazer artístico, Conceição Lima, como outras boas escritoras dos países africanos de língua portuguesa, reafirma o seu ofício, que se articula a partir de signos femininos, ancestrais e nacionais, para, no entanto, ultrapassá-los na busca de uma poética do universal.

Cremos que esse movimento de afirmação e ultrapassagem presente na escritura de Conceição Lima é um dos traços que encontramos com frequência na literatura de autoria feminina na África de língua oficial portuguesa de hoje e que vale a pena focalizar. Antes de examiná-lo, contudo, convém retroceder no tempo e revisitar, mesmo que de forma rápida, a produção poética de autoras que produziram antes da independência2 de seus países, a fim de verificar como...

You are not authenticated to view the full text of this chapter or article.

This site requires a subscription or purchase to access the full text of books or journals.

Do you have any questions? Contact us.

Or login to access all content.