Show Less
Restricted access

Poesia do terceiro espaço

Lírica lusófona contemporânea

Series:

Verena Dolle and Anne Begenat-Neuschäfer

A ideia do presente volume nasceu durante o IX Congresso de Lusitanistas de Alemanha (Descobertas e utopias: a diversidade dos países de língua portuguesa) em Viena em setembro de 2011, na seção intitulada Poesia do terceiro espaço – lírica lusófona contemporânea. Os artigos reunidos neste volume refletem um termo crucial para os estudos pós-colonias, o epônimo «terceiro espaço». Cunhado por Homi Bhabha e frequentemente usado em sentido abrangente, o termo serve como ponto de partida heurístico para analisar a ideia de espaço na poesia dos séculos XX e XII.
Show Summary Details
Restricted access

Poesie des Dritten Raumes – zeitgenössische lusophone Lyrik: Verena Dolle

Extract

Verena Dolle

This introduction lays the theoretical groundwork for the articles presented in this volume, written by participants of the “Poetry of the Third Space: Contemporary Lusophone Poetry” group which convened at the International Lusitanist Conference in Vienna (“Discoveries and Utopias: The Diversity of Lusophone Countries”) in September 2011. It reflects on a crucial term of postcolonial studies and the spatial turn, the eponymous “third space”.

Esta introdução procura estabelecer o fundamento teórico dos artigos reunidos neste volume, de autoria dos participantes da seção “Poesia do terceiro espaço – lírica lusófona contemporânea” do nono Congresso de Lusitanistas da Alemanha realizado em Viena em setembro de 2011, “Descobertas e utopias: a diversidade dos países de língua portuguesa”. O epônimo “terceiro espaço” reflete um termo crucial para os estudos pós-colonias. Cunhado por Homi Bhabha e frequentemente usado em sentido abrangente, o termo serve como ponto de partida eurístico para analisar a idea de espaço na poesia dos séculos XX e XXI.

Tenta-se definir mais precisamente nesta introdução conceitos de espaço e sua dinâmica, e termos chaves como “virada espacial” e estudos pós-colonias na últimas décadas. Seu denominador comum é que não focam de maneira binária e estática, mas dinâmica e híbrida, nos conceitos de espaço e de relações espaciais, opondo termos em desuso como “centro” e “periferia”, espaço como “container...

You are not authenticated to view the full text of this chapter or article.

This site requires a subscription or purchase to access the full text of books or journals.

Do you have any questions? Contact us.

Or login to access all content.