Show Less
Restricted access

A hora do crime

A violência na dramaturgia britânica do pós-Segunda Guerra Mundial (1951–1967)

Rui Pina Coelho

A violência e a sua representação artística têm sido desde sempre objecto de vibrantes debates. Na criação contemporânea, a violência continua a ser um dos mais insistentes refrãos temáticos. Analisa-se aqui um corpus seleccionado da dramaturgia britânica de matriz realista do pós-Segunda Guerra Mundial, incluindo textos de John Whiting ( Saints’s Day, 1951), Brendan Behan ( The Quare Fellow, 1954), John Osborne ( Look Back in Anger, 1956), Harold Pinter (The Birthday Party, 1958), Arnold Wesker ( Chicken Soup with Barley, 1958; Roots, 1959; e I’m Talking about Jerusalem, 1960), John Arden ( Serjeant Musgrave’s Dance, 1959), David Rudkin ( Afore Night Come, 1962), Giles Cooper ( Everything in the Garden, 1962), Edward Bond ( Saved, 1965) e Charles Wood ( Dingo, 1967). São textos reportados a uma geração de dramaturges conhecidos como «Angry Young Men» e a uma Segunda Vaga de dramaturges dos anos sessenta que reagem às alterações na geometria política e social motivadas pela Segunda Guerra Mundial. Na análise a que se procede é estudada a maneira como cada obra configura as representações de violência, de que resultou a diferenciação nas seguintes tipologias: violência sistémica; sobre o corpo; verbal; e de guerra.

Table of contents