Show Less
Restricted access

A tradução em movimento

Figurações do traduzir entre culturas de Língua Portuguesa e culturas de Língua Alemã

Series:

Edited By Susana Kampff Lages, Johannes Kretschmer and Kathrin Sartingen

Para germanistas atuantes em países lusófonos ou lusitanistas em países de língua alemã, a tradução é ferramenta diária e essencial ao trabalho. Mas como tornar essa prática objeto de investigação sistemática? De que forma a tradução e seus desafios auxiliam o pesquisador que opera no campo dos estudos literários? Esta coletânea constitui uma reunião de estudos que tomam a tradução, sua prática, seus desafios e questionamentos, como ponto de partida para abordar temas caros aos estudos literários e culturais. A partir do estudo da obra de autores como Haroldo de Campos, Jorge de Sena, Vilém Flusser, Franz Kafka, Walter Benjamin, entre outros, os autores buscam refletir sobre o papel das relações entre tradução, exílio, identidade, história e filosofia.

Show Summary Details
Restricted access

João Guimarães Rosa: tradutor de tradições e linguagens, gêneros e culturas (Kathrin H. Rosenfield)

Extract

| 91 →

Kathrin H. Rosenfield

João Guimarães Rosa: tradutor de tradições e linguagens, gêneros e culturas

“Eu, quando escrevo […] vou fazendo como se o estivesse ‘traduzindo’ de um alto original, existente alhures, no mundo astral ou no ‘plano das ideias’, dos arquétipos”

João Guimarães Rosa a Edoardo Bizzarri (Rosa 1981, p. 63–64)

1- Introdução

No universo da tradução, o Brasil ocupa um lugar paradoxal. Por um lado, sofre de certa carência de traduções, embora nas duas últimas décadas tenha havido grande esforço no sentido de uma recuperação; por outro, produziu abordagens e reflexões notáveis – o conceito da transcriação teorizado por Haroldo de Campos é apenas o topo de um iceberg que tem sua base na constante necessidade dos escritores e leitores de moverem-se entre línguas e culturas.

Nesse sentido, poderíamos e deveríamos homenagear Guimarães Rosa não apenas como romancista e contista, mas também como tradutor. Não no sentido estrito e técnico da palavra. Rosa nunca traduziu de uma língua para outra, apesar de seus conhecimentos consideráveis de múltiplos idiomas. Sua importância para o tradutor de hoje se situa inteiramente no plano mais amplo e mais nobre da mediação poética: da mobilização daquele “espaço” ou estado outro que nos permite transitar entre valores e express...

You are not authenticated to view the full text of this chapter or article.

This site requires a subscription or purchase to access the full text of books or journals.

Do you have any questions? Contact us.

Or login to access all content.