Show Less
Restricted access

Collecçam dos Papeis Anonymos

Editada por Hans Fernández e Pascal Striedner

Series:

Bento Morganti

Edited By Hans Fernández and Pascal Striedner

A Collecçam dos Papeis Anonymos constitui o primeiro texto do gênero spectator aparecido na península ibérica. Atribuída ao religioso Bento Morganti, a obra circulou na cidade de Lisboa — num contexto marcado pela Censura e Inquisição — em forma de folhas volantes entre os anos de 1752 e 1754. Ao longo de quatro coleções e 44 números, sua instância narrativa reflete com base em um pensamento próprio do Iluminismo sobre a necessidade de transformar a sociedade portuguesa, especialmente por meio da educação, com a finalidade de levá-la ao nível das mais avançadas da Europa.

A presente edição diplomática dá a conhecer o «Manuscrito de Coimbra» e tenta contribuir para a pesquisa dos spectators em Portugal.

Show Summary Details
Restricted access

A peste das conversaçoens.

Extract



ORa senhores he verdade que nam ha couza mais delicioza cà por fóra como he huma manham da Primavera! Levanta-se hum homem cedo pega no seu bordam, chega a huma fonte, ou a algum regato, lava os olhos, e senta se debaxo de huma arvore, [74] aonde o suave murmurio da agoa, com a canora melodia das aves; constituem aprasivel o citio, recream a natureza, e desterram em alguma parte os cuidados, e quanto a mim eu nam trocara este citio por todas as dilicias da Corte; e ainda que muitos dizem que isto nam he mào, com tudo ascrecentam, que seria muito milhor se tambem com todas estas delicias houvesse a comunicaçam dos homens, e a sociedade dos individuos da mesma especie; porque entertendo se a gente tambem com huma boa conversaçam, ao mesmo tempo seria agradavel, e mais util esta abstraçam das barafundas da Cidade. Mas o certo he que se enganam; porque nam ha couza que mais se deva aborrecer, ou ao menos nam dezejar como sam as sociedades, e companhias, porque quasi nunca deixa de entrar nellas algum espirito mordaz, que pertende fazer da mormuraçam o mais ordinario assumpto; e por comedido que hum homem seja, se nam fala tambem, porque como dizem, huma palavra puxa pela outra, ao menos sempre ouve o que nam quer, ou o que nam deve ouvir, e he para cauzar rizo a redicula cautella com que semelhantes espiritos querem dourar a sua...

You are not authenticated to view the full text of this chapter or article.

This site requires a subscription or purchase to access the full text of books or journals.

Do you have any questions? Contact us.

Or login to access all content.