Show Less
Restricted access

Collecçam dos Papeis Anonymos

Editada por Hans Fernández e Pascal Striedner

Series:

Bento Morganti

Edited By Hans Fernández and Pascal Striedner

A Collecçam dos Papeis Anonymos constitui o primeiro texto do gênero spectator aparecido na península ibérica. Atribuída ao religioso Bento Morganti, a obra circulou na cidade de Lisboa — num contexto marcado pela Censura e Inquisição — em forma de folhas volantes entre os anos de 1752 e 1754. Ao longo de quatro coleções e 44 números, sua instância narrativa reflete com base em um pensamento próprio do Iluminismo sobre a necessidade de transformar a sociedade portuguesa, especialmente por meio da educação, com a finalidade de levá-la ao nível das mais avançadas da Europa.

A presente edição diplomática dá a conhecer o «Manuscrito de Coimbra» e tenta contribuir para a pesquisa dos spectators em Portugal.

Show Summary Details
Restricted access

Dos Habitos virtuozos.

Extract



PAra dizer alguma couza sobre o muito que os homens moços se afastam das regras de huma boa filosofia moral, me assusta o receyo de que me dem o sobre nome de Aretalogo que adquirio hum certo Estoico chamado Crispino Plotio, que naõ falava senaõ das virtudes, no mesmo sentido que o Emperador Pertinax se chamou tambem Chrestologo, por dizer muitas coizas boas sem obrar nenhuma, como refere Julio Capitolino. E na verdade estes discursos virtuozos sam muito maos fiadores da vida daquellas pessoas, a quem a perpetua inconstancia dos costumes faz com que se naõ pareçam com sigo mesmo, como expressa figurativamente o grande Seneca, quique alternis Vatinii, alternis Catones sunt ha hum grande numero de outras que nunca tiram a mascara da probidade, para lhe servir de capa a todas as suas dezordens.

Qui Curios simulant, & Bacanalia vivunt.

ou para uzar da expressam de Cicero, quando exagera esta materia, qui ut Gallonius vivunt, loquuntur ut frugi ille Piso. Mas seja o que for; sem emprender [74] alargarme neste vasto campo da dissimulaçam aparente debaxo do respeitavel veo da virtude, tocarei somente no ponto precizo dos bons habitos virtuozos que os homens devem precizamente adquirir, e conservar.

O que Aristoteles dis do homem virtuozo, que he como huma figura cubica, quadratus sine vituperatione, nam he de tam dificultoza acomodaçam eomo se entende, segundo o modo ordinario de falar, quando se diz hum homem redondo, para se...

You are not authenticated to view the full text of this chapter or article.

This site requires a subscription or purchase to access the full text of books or journals.

Do you have any questions? Contact us.

Or login to access all content.