Show Less
Restricted access

Cinema de migração em língua portuguesa

Espaço, movimento e travessia de fronteiras

Series:

Edited By Kathrin Sartingen and Esther Gimeno Ugalde

O cinema como imagem ou contra-imagem, como narrativa ou contra-narrativa da vida real não ficou indiferente às movimentações e ondas migratórias globais. Nas últimas décadas, as representações de experiências migrantes e diaspóricas têm adquirido uma posição relevante nas narrativas cinematográficas.

Este livro propõe uma aproximação teórica ao conceito do assim chamado «cinema de migração». Além disso, acompanha as reflexões a respeito de alguns dos exemplos mais notáveis do cinema de migração em língua portuguesa, analisando diversos exemplos de Portugal, Brasil, Moçambique, Angola e Cabo Verde. Finalmente, discutem-se novas tendências como o «cinema de migração poliglota», os seus «espaços intermitentes» e «paisagens faladas» para desembocar na constatação que são «as fronteiras que nos fazem».

Show Summary Details
Restricted access

Cinema de migração: tentativa de uma aproximação teórica (Kathrin Sartingen e Esther Gimeno Ugalde, Universidade de Viena)

Extract

Kathrin Sartingen e Esther Gimeno Ugalde

Em tempo de guerra, qualquer buraco é trincheira.

(Ditado popular português)

Têm sido diferentes as intenções e motivações que levaram, ao longo dos séculos, as populações a migrarem de um lugar para o outro, de um país a outro, de uma cultura, língua, religião a outra. Nem sempre os motivos de migração – de fuga, de exílio, de diáspora – têm sido uma guerra ou um combate; muitas vezes, as razões de pôr-se a caminho têm sido económicas, religiosas, políticas, étnicas, etc. Em todos os casos, por mais diferentes que sejam, um facto sempre as uniu: a procura de uma “trincheira”, como diz o velho ditado popular português, isto é, o desejo de sobreviver, de achar um lugar mais apropriado, de procurar uma vida mais digna. Para isto, até qualquer “trincheira” serviria para melhorar a situação pessoal, familiar ou coletiva.

As inúmeras ondas migratórias das últimas décadas, ocorridas em contínuos deslocamentos transnacionais de populações diversas à volta do mundo, têm provocado importantes alterações no tecido social e na identidade cultural dos respetivos países, assim como nas relações entre eles. Segundo a Organização Internacional para as Migrações, em 2019 o número de migrantes à volta do mundo, ou seja, pessoas residentes num país diferente do seu país de nascimento,...

You are not authenticated to view the full text of this chapter or article.

This site requires a subscription or purchase to access the full text of books or journals.

Do you have any questions? Contact us.

Or login to access all content.