Show Less
Restricted access

Cinema de migração em língua portuguesa

Espaço, movimento e travessia de fronteiras

Series:

Edited By Kathrin Sartingen and Esther Gimeno Ugalde

O cinema como imagem ou contra-imagem, como narrativa ou contra-narrativa da vida real não ficou indiferente às movimentações e ondas migratórias globais. Nas últimas décadas, as representações de experiências migrantes e diaspóricas têm adquirido uma posição relevante nas narrativas cinematográficas.

Este livro propõe uma aproximação teórica ao conceito do assim chamado «cinema de migração». Além disso, acompanha as reflexões a respeito de alguns dos exemplos mais notáveis do cinema de migração em língua portuguesa, analisando diversos exemplos de Portugal, Brasil, Moçambique, Angola e Cabo Verde. Finalmente, discutem-se novas tendências como o «cinema de migração poliglota», os seus «espaços intermitentes» e «paisagens faladas» para desembocar na constatação que são «as fronteiras que nos fazem».

Show Summary Details
Restricted access

Lisboetas ou não-lisboetas – eis a questão. Reflexões a respeito de um cinema de migração (Kathrin Sartingen, Universidade de Viena)

Extract

Kathrin Sartingen

Em Lisboetas, filme português de Sérgio Tréfaut (2004), os dois imigrantes russos Oleg e a sua esposa se perguntam, por ocasião do nascimento do seu primeiro filho num hospital de Lisboa, qual o nome que darão ao filho, qual a língua que ele falará. Nome e língua: dois aspetos cruciais da identidade de um indivíduo. Nome e língua: em tempos de mobilidade mundial, mais do que nunca, são por assim dizer um “passaporte” para o pertencimento a um lugar e para a obtenção de status numa cidade ou num país.

Num momento em que os movimentos da migração constituem um fenômeno global, pertencimento e identidade se tornam processos primordiais. Não mais a afiliação a uma família ou a uma etnia, mas sim a integração, ou melhor: o pertencimento a um novo grupo, um novo espaço, um novo “lar” viram essenciais. E mais: é quase um “tornar-se um outro”. Partindo do pressuposto de que os movimentos migratórios são imensamente diversificados e as causas desencadeadoras que levam à migração são extremamente diferentes (Lussi 2016; Hirano / Tucci 2017), a pergunta que se coloca aqui é: como a cinematografia em língua portuguesa, ou seja, como filmes portugueses, brasileiros e luso-africanos representam e negociam a questão da busca de uma nova vida, de pertencimento e de identidade nos diferentes contextos de migração e de movimento...

You are not authenticated to view the full text of this chapter or article.

This site requires a subscription or purchase to access the full text of books or journals.

Do you have any questions? Contact us.

Or login to access all content.