Loading...

Dinâmicas Afro-Latinas

Língua(s) e História(s)

by Juanito Ornelas de Avelar (Volume editor) Laura Álvarez López (Volume editor)
©2015 Edited Collection 265 Pages

Summary

A tentativa de compreender como nascem as variedades de uma língua não pode ser dissociada da investigação sobre os aspectos históricos que permeiam a emergência dessas variedades. Da mesma forma, estabelecer a história de uma comunidade requer a observação de elementos que participaram de sua constituição social, cultural, política, econômica etc., entre os quais a língua ocupa um lugar de destaque. Língua e história se entrelaçam: uma não existe sem a outra. Esta coletânea aborda temas que interessam ao estudo dos contatos entre africanos e europeus na América Latina e na África, focalizando aspectos históricos e linguísticos relacionados ao papel dos africanos e suas línguas na gênese de novas variedades do português e do espanhol.

Table Of Contents

  • Cubierta
  • Título
  • Copyright
  • Sobre el autor/el editor
  • Sobre el libro
  • Esta edición en formato eBook puede ser citada
  • Sumário
  • Prefácio
  • Parte I: Da História para a Língua
  • Ladinos ou boçais? A política da linguagem no cotidiano da escravização ilegal (Brasil, décadas de 1830 a 1850)
  • 1. Introdução
  • 2. A língua na determinação da condição de ladino. Usos na administração e no judiciário
  • 3. O que os africanos faziam com o que faziam deles
  • Referências bibliográficas
  • Diz que é forro – práticas de comunicação escrava em anúncios de jornal
  • 1. Introdução
  • 2. Os anúncios
  • 3. Representações sobre os escravos e seu modo de falar
  • 4. As práticas de comunicação analisadas a partir dos anúncios
  • 5. Hierarquias classificatórias e categorias descritivas
  • 6. Considerações finais – a linguagem como recurso
  • Referências bibliográficas
  • Quem eram os minas? Notas sobre a “nação” mina no sul do Brasil e no Prata no século XIX
  • 1. Introdução
  • 2. Estudos anteriores sobre nomeação de povos, lugares e línguas em contexto afro-latino
  • 3. População africana e afrodescendente e presença dos minas no Rio Grande do Sul e em Montevidéu no século XIX
  • 3.1 Rio Grande do Sul
  • 3.2 Montevidéu
  • 3.3 Presença dos minas
  • 4. Mina como “nome de nação”
  • 4.1 Evolução histórica do termo mina
  • 4.2 Séculos XV–XVI
  • 4.3 Século XVII
  • 4.4 Século XVIII
  • 4.5 Século XIX
  • 4.6 Séculos XX–XXI
  • 5. Que línguas falavam os minas no Rio Grande do Sul e em Montevidéu?
  • 5.1 Akan (twi/fante)
  • 5.2 Árabe
  • 5.3 Efik/ibibio, igbo e ijo
  • 5.4 Hauçá
  • 5.5 Iorubá
  • 5.6 Gbe
  • 5.7 Ga-adangme
  • 5.8 Aporte lexical das línguas dos minas
  • 6. Considerações finais
  • Referências bibliográficas
  • Sobre a história do português no e do Brasil: levantando questões
  • 1. Introdução
  • 2. Um breve retrospecto
  • 3. Alguns questionamentos
  • 4. Um foco na demografia histórica
  • 5. Voltando às origens do português brasileiro
  • Referências bibliográficas
  • Parte II: Língua(s) e História(s) em Contato
  • La reconstrucción de los primeros contactos lingüísticos afrohispánicos: la importancia de las comunidades de habla contemporáneas
  • 1. Introducción
  • 2. Las comunidades afroecuatorianas del Valle del Chota
  • 3. Las comunidades afroparaguayas
  • 4. Las hablas afromexicanas
  • 5. El habla de los Congos de Panamá
  • 6. El palenquero: San Basilio de Palenque, Colombia
  • 7. El dialecto afrohispánico más completo: los Yungas de Bolivia
  • 8. ¿El habla bozal (del Caribe) era una lengua criolla?
  • 9. Rasgos de las hablas afrohispánicas contemporáneas
  • 9.1 ¿Fenómenos de contacto o adquisición de L2?
  • 9.2 Ausencia de género gramatical
  • 9.3 Pronombres de 3a persona invariables para género gramatical
  • 9.4 Ausencia de concordancia sujeto-verbo
  • 9.5 Plurales invariables
  • 9.6 Plurales “desguazados”
  • 9.7 Ausencia de artículos definidos
  • 9.8 Vocales paragógicas (de apoyo)
  • 9.9 Cópula invariable
  • 9.10 Construcciones con TA + infinitivo
  • 10. Hacia la reconstrucción del habla bozal hispanoamericana: nuevos aportes
  • 11. Resumen y conclusiones
  • Refrencias bibliográficas
  • Sobre a emergência das construções de tópico-sujeito no português brasileiro: mudança desencadeada por contato?
  • 1. Introdução
  • 2. Construções de tópico-sujeito: concordância locativa e concordância possessiva
  • 2.1 Concordância locativa no português brasileiro e nas línguas Bantas
  • 2.2 Concordância possessiva no português brasileiro e nas línguas bantas
  • 3. Sobre o papel do contato interlinguístico na emergência das construções de tópico-sujeito
  • 4. Sobre o continuum afro-brasileiro do português
  • 5. Considerações finais
  • Referências bibliográficas
  • O conceito de Português Afro-Indígena e a comunidade de Jurussaca
  • 1. Introdução
  • 2. O Português Afro-Indígena e a Comunidade de Jurussaca
  • 3. O Português de Jurussaca
  • 3.1 A expressão pronominal no PAfroInd em cotejo com outras variedades brasileiras
  • 3.2 A expressão pronominal no PAfroInd em cotejo com línguas em contato
  • A Relativização no PAfroInd
  • 4. Considerações Finais
  • Abreviaturas e Símbolos
  • Referências bibliográficas
  • A vitalidade de um léxico de origem africana em Minas Gerais
  • 1. Introdução
  • 2. Os vissungos e a língua dos catopés em Milho Verde
  • 3. A Língua da Tabatinga em Bom Despacho
  • 3.1 O Questionário
  • 3.2 O léxico da Tabatinga
  • 3.3 Variação fonética e morfossintática
  • 3.4 Criação lexical
  • 4. Considerações finais
  • Referências bibliográficas
  • Parte III: Língua(s) na História: a Escrita como Fonte
  • Evidências do contato com as línguas africanas na formação do português brasileiro: propostas para a constituição de um corpus
  • 1. Introdução
  • 2. O debate sobre as origens do português brasileiro
  • 3. Evidências dos efeitos do contato
  • 4. Estudo de caso: um corpus africano do século XIX
  • 4.1 Sílabas CV
  • 4.2 Concordância verbal variável
  • 4.3 Concordância nominal variável
  • 4.4 Expressão do objeto indireto sem preposição e construções de duplo objeto
  • 4.5 Ausência de artigo
  • 5. Considerações finais
  • Referências bibliográficas
  • Um panorama do português popular brasileiro do século XIX: o teatro de Artur Azevedo como guia para seu estudo
  • 1. Introdução
  • 2. “Fritzmac” (1889) e as comemorações da Abolição (1888)
  • 2.1 Fatos de natureza fonética
  • 2.2 Fatos de natureza gramatical
  • 3. As vozes representadas
  • 3.1 Falam os escravos
  • 3.1.1 Fatos de natureza fonética
  • 3.1.2 Fatos de natureza gramatical
  • 3.2 Vozes variadas
  • 3.2.1 Fatos de natureza fonética
  • 3.2.2 Fatos de natureza gramatical
  • 4. “A capital federal” (1897): um cenário pós-abolição
  • 5. Comentários finais
  • Referências bibliográficas
  • “¡Ni bagres mandingas quedaron!”: presencia lingüística africana en la narrativa de José Monegal
  • 1. Introducción
  • 2. La cuentística de José Monegal
  • 3. Descripción del habla de los personajes afrodescendientes de Monegal
  • 4. El léxico de origen africano en la narrativa de Monegal
  • 5. Consideraciones finales
  • Referencias bibliográficas
  • “Como filho obediente nestas interiores terras de África, vou por esta à sua presença”: textos e contextos dos relatos missionários sobre o Reino do Kongo, no século XVIII
  • 1. Introdução
  • 2. Os missionários
  • 3. A chegada de Castello de Vide ao Reino do Kongo
  • 4. Os relatos dos missionários
  • 5. Considerações finais
  • Referências bibliográficas
  • Arquivos e Bibliotecas – Abreviaturas

| 7 →

Juanito Ornelas de Avelar
Universidade Estadual de Campinas

Laura Álvarez López
Universidade de Estocolmo

Prefácio

Em abril de 2011, o Programa de Pós-Graduação em Linguística do Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas promoveu um simpósio sob o título que dá nome a esta coletânea – Dinâmicas Afro-Latinas: Língua(s) e História(s) –, reunindo linguistas e historiadores do Brasil e do exterior para abordar tópicos relacionados à presença africana na América Latina. O evento, que se deu em colaboração com o projeto “Afro-Latin Linguistics: Language Contact in Intercultural Settings” (financiado pelo STINT – Swedish Foundation for International Cooperation in Research and Higher Education), contou com mesas-redondas e conferências que se ocuparam, principalmente, das dinâmicas de contato entre falantes de línguas ibéricas e línguas africanas. Alguns dos resultados desse encontro vêm apresentados neste livro, que reúne doze trabalhos distribuídos em três partes: I – Da História para a Língua, II – Línguas e Histórias em Contato e III – Línguas na História: a Escrita como Fonte. Em seu conjunto, os textos que compõem o volume abordam desde questões relacionadas a identidades linguísticas no cenário da escravidão a hipóteses sobre o papel dos africanos na formação de novas variedades do português e do espanhol, passando pela relevância das fontes escritas para os estudos linguísticos e sociohistóricos em torno das dinâmicas de contato entre africanos e europeus. Todos os autores são historiadores ou linguistas e participaram do evento como conferencistas ou membros do comitê científico.

Os quatro capítulos que constituem a primeira parte – Da Língua para a História – focalizam elementos da história social relativos à presença africana no Brasil e na Região do Prata. Os autores elencam dados e informações que podem lançar luz sobre a questão acerca de como os contatos entre africanos e europeus atuaram na fixação de mudanças linguísticas.

O capítulo de Sidney Chalhoub, que abre a primeira parte, destaca o papel da aquisição do português pelos africanos introduzidos no Brasil entre 1830 e 1850 na sua caracterização como “ladinos” – isto é, africanos já “aculturados”. O autor apresenta situações nas quais os próprios africanos exploravam, a seu favor, as possibilidades abertas pela política linguística no cotidiano da escravidão – por ← 7 | 8 → exemplo, ao calibrar o seu domínio do português segundo as circunstâncias do momento para parecer “boçal” e escapar à escravização, ou se mostrar falante e desembaraçado para passar por liberto na cidade.

Também se debruçando sobre o domínio da língua portuguesa pelos africanos no século XIX, Ivana Stolze Lima analisa em seu capítulo anúncios de fuga de escravos em periódicos publicados no Rio de Janeiro entre 1821 e 1870. O estudo observa informações sobre o modo de falar dos escravos fugidos, no intuito de estabelecer um panorama sobre o perfil linguístico dos africanos e afrodescendentes descritos nos anúncios.

Nesse mesmo viés histórico, o capítulo de Laura Álvarez López discute a presença e a procedência dos chamados “minas” no século XIX, considerando as regiões do Rio Grande do Sul e do Rio da Prata. Procurando problematizar a questão da identificação dos africanos sob esse rótulo, a autora aborda a evolução histórica do termo “mina” na África e em diversas localidades do Brasil, bem como procura determinar quais eram as línguas africanas faladas nas zonas de procedência desses cativos.

Encerrando a primeira parte, Dinah Callou argumenta em seu texto que a dicotomia “deriva secular” vs. “contato”, presente nos debates atuais sobre as origens do português brasileiro, não capta a complexidade sociohistórica que marca a implantação da língua portuguesa no Brasil. Apoiado em dados histórico- demográficos, o capítulo salienta a importância de articular a história linguística à histórica social, tendo em vista a necessidade de aferir em que medida as características atuais do português brasileiro podem ser atribuídas à deriva ou ao contato linguístico.

A segunda parte da coletânea – Línguas e Histórias em Contato – reúne trabalhos voltados à emergência de variedades do português e do espanhol na América Latina, destacando dados de ordem lexical e gramatical para introduzir tópicos relacionados ao aporte das línguas africanas na formação dessas variedades.

O capítulo de John Lipski, que introduz essa segunda parte, abrange uma gama de comunidades afro-latinas para apresentar dados linguísticos obtidos em trabalhos de campo na Bolívia, Colômbia, Equador, México, Panamá e Paraguai. O autor mostra que as particularidades linguísticas identificadas entre essas comunidades permitem reconstruir os padrões linguísticos que moldaram a fala de afrodescendentes no período de formação dos dialetos hispano-americanos.

O capítulo de Juanito Avelar aborda as chamadas “construções de tópico- sujeito” do português brasileiro. Essas construções compõem um padrão frásico que não é identificado no português europeu, nem é usual entre as línguas indo- europeias. Uma vez que as línguas bantas também apresentam construções de ← 8 | 9 → tópico-sujeito, o autor discute a hipótese de o português brasileiro ter sido tipologicamente afetado pelo aporte africano no Brasil, por meio do que vem sendo tratado como um tipo específico de “transmissão linguística irregular”.

O capítulo seguinte também focaliza inovações gramaticais, dessa vez identificadas no português falado na comunidade quilombola de Jurussaca (Pará). Márcia Oliveira, Ednalvo Apóstolo Campos, Jair Francisco Cecim, Francisco João Lopes e Raquel Azevedo da Silva argumentam tratar-se do que chamam de “português afro-indígena”, um tipo de variedade popular rural que, segundo os autores, apresenta particularidades etnolinguísticas e pode ser situada no continuum de variedades do português brasileiro.

Também abordando comunidades quilombolas, o capítulo de Margarida Petter encerra a segunda parte, retratando situações de preservação do léxico de base africana em duas localidades de Minas Gerais – Bom Despacho e Milho Verde. Os dados apresentados pela autora permitem concluir que, nos grupos analisados, a preservação lexical está associada à construção de uma identidade que não mais se atrela à condição de ser negro ou africano, mas ao fato de residir numa região outrora discriminada.

Finalmente, a terceira parte do volume – Língua(s) na História: a Escrita como Fonte – destaca a riqueza de vários tipos de textos escritos, como relatos, cartas e contos, que podem ser utilizados como fontes de estudos para a história da língua.

Partindo de um breve histórico sobre os debates em torno das origens do português brasileiro, Charlotte Galves delineia em seu capítulo uma metodologia para a constituição de corpora, nos eixos sincrônico e diacrônico, voltados ao estudo do chamado “continuum afro-brasileiro do português”. A autora fundamenta sua proposta com dados levantados em documentos do século XIX escritos em português por africanos, mostrando que os aspectos morfossintáticos identificados no material analisado indiciam que a gramática do português brasileiro foi, em grande medida, afetada pela aquisição do português como segunda língua por essa população.

Também se ocupando de fontes oitocentistas, Tania Alkmim mostra que as peças teatrais de Artur Azevedo (1855–1908) refletem o panorama sociolinguístico da época, que já evidenciava claramente a polarização culto vs. popular atestada no português brasileiro contemporâneo. O estudo observa personagens escravos que convivem com personagens livres e socialmente diversificados, o que permite estabelecer um quadro linguístico, ainda que estereotipado, sobre a diversidade linguística que marcou as dinâmicas de contato entre diferentes estratos da sociedade brasileira (com destaque para os africanos e afrodescendentes) na segunda metade do século XIX. ← 9 | 10 →

A escrita literária também é explorada como fonte por Magdalena Coll, que se ocupa da fala de personagens afrodescendentes nos contos do escritor uruguaio José Monegal (1892–1968). O capítulo identifica vocábulos de origem africana, concluindo que os textos de Monegal são de extremo valor para os estudos sobre os contatos linguísticos estabelecidos nas regiões de fronteira entre Brasil e Uruguai.

O trabalho de Lucilene Reginaldo encerra a coletânea, trazendo relatos escritos no século XVIII por missionários no Reino do Kongo. Os documentos analisados trazem uma série de informações sobre os costumes, línguas e dinâmicas sociais africanas que circularam pela Europa no período setecentista.

Em síntese, os trabalhos reunidos neste volume evidenciam que as investigações sobre a gênese de novas variedades linguísticas têm muito a ganhar se articuladas com o estudo de aspectos históricos e sociais que permeiam a emergência e consolidação dessas variedades. Ao mesmo tempo, estabelecer a história de uma comunidade requer observar inúmeros elementos que participaram de sua constituição social, cultural, política, econômica etc., entre os quais a língua ocupa indiscutivelmente um lugar de destaque. Em linhas gerais, podemos dizer que língua e história se entrelaçam: uma não existe sem a outra.

| 11 →

Parte I:
Da História para a Língua

| 13 →

Sidney Chalhoub
Universidade Estadual de Campinas

Ladinos ou boçais? A política da linguagem no cotidiano da escravização ilegal (Brasil, décadas de 1830 a 1850)

1. Introdução1

Em 1826, em retribuição ao apoio diplomático necessário ao reconhecimento da Independência, a Grã-Bretanha obteve do Brasil o compromisso de abolir o tráfico africano de escravos três anos após a ratificação do tratado pelas duas monarquias. Ilegal, por força do dito tratado, desde março de 1830, o tráfico foi proibido por lei aprovada no parlamento brasileiro em 7 de novembro de 1831. Não obstante a proibição legal, e após decréscimo temporário nas entradas de africanos durante a primeira metade da década de 1830, o comércio negreiro assumiu proporções aterradoras nos anos seguintes, impulsionado pela demanda por trabalhadores para as fazendas de café. Foi useiro e vezeiro no logro aos cruzeiros britânicos, auxiliado pela conivência e corrupção de autoridades públicas e com o apoio de setores diversos da população. No início dos anos 1850, quando nova conjuntura política interna e externa levaria à interrupção definitiva do negócio dos tumbeiros, mais de 750 mil africanos haviam entrado ilegalmente no país, e quiçá a metade da população escrava em idade produtiva fosse constituída por esses africanos e seus descendentes. Essa taxa de ilegalidade da escravidão era decerto muito mais alta nas fazendas de café do Vale do Paraíba, para onde afluíram em massa os africanos chegados após a lei de 1831 (Bethell 1970; Conrad 1986; ← 13 | 14 → Rodrigues 2005).2 A riqueza e o poder da classe dos cafeicultores, símbolo maior da prosperidade imperial ao longo do Segundo Reinado, viabilizaram-se ao arrepio da lei, pela aquisição de cativos provenientes de contrabando.

Details

Pages
265
Year
2015
ISBN (PDF)
9783653052657
ISBN (ePUB)
9783653971828
ISBN (MOBI)
9783653971811
ISBN (Hardcover)
9783631660249
DOI
10.3726/978-3-653-05265-7
Language
Spanish
Publication date
2015 (February)
Keywords
linguistischer Wandel Sprachkontakt Sprachgeschichte transatlantischer Sklavenhandel Geschichte der Sklaverei
Published
Frankfurt am Main, Berlin, Bern, Bruxelles, New York, Oxford, Wien, 2015. 265 p., 1 gráf.

Biographical notes

Juanito Ornelas de Avelar (Volume editor) Laura Álvarez López (Volume editor)

Juanito Ornelas de Avelar é Professor Doutor da Universidade Estadual de Campinas. Atua na área de Teoria Gramatical, com foco em sintaxe, abordando fatos de variação e mudança na história do português brasileiro e no eixo Brasil-África. Laura Álvarez-López é Professora Associada da Universidade de Estocolmo. Atua na área da Sociolinguística Histórica, com trabalhos que versam sobre variedades de português e espanhol em contato com línguas africanas.

Previous

Title: Dinâmicas Afro-Latinas