Show Less
Restricted access

A circulação literária e cultural

Series:

Edited By Jose Luis Jobim

Uma questão importante para os estudos literários é a circulação de obras além de seu lugar de origem. Muitos outros aspectos devem ser levados em consideração também, como a posição assimétrica dos autores e de suas obras na circulação internacional, condicionada pela posição relativa de línguas e culturas em um mercado global. Este volume estuda a circulação literária e cultural e inclui ensaios que exploram este tópico tanto em estudos de caso, analisando obras e autores de diversas literaturas e culturas, quanto em discussões sobre questões teóricas referentes à circulação e a tudo que ela implica: temporalidade, lugar, método, objetos materiais e conceitos.

Show Summary Details
Restricted access

1 Intempestividade, reconhecimento e respeito na obra de Gonçalo Tavares (Helena Carvalhão Buescu)

Extract

← 20 | 21 →

HELENA CARVALHÃO BUESCU

1    Intempestividade, reconhecimento e respeito na obra de Gonçalo Tavares1

O conceito de intempestividade, mais especificamente daquela que acontece quando aquilo que acontece parece surgir “atrasado”, interessa-me aqui como forma e manifestação auto-reflexiva daquilo que pode ser a circulação literária. Tomo este conceito, e trabalharei com ele, de forma ampla, partindo do princípio de que ele diz respeito não apenas à circulação material das obras, uma vez publicadas, mas também à circulação do material temático e formal que as compõe. Interessa-me pois olhar para a obra que aqui analiso com mais profundidade, de Gonçalo M. Tavares, Uma Menina está perdida no seu Século à procura do Pai, enquanto exemplo decisivo do modo como a reutilização de materiais temáticos e formais, e em particular a cristalização de descoincidências entre história e literatura, podem ser objectos da própria análise romanesca. A hipótese de que parto, pois, é que dentro dos modos de circulação literária existem alguns que sublinham tais descoincidências, dando por isso a ver as falhas temporais e históricas de que a literatura também se faz. Na verdade, o próprio afastamento entre acontecimento histórico e fenómeno literário, entre história e literatura, e a forma como ele é utilizado enquanto procedimento literário podem aqui surgir como paradigma do que voluntariamente se apresenta como...

You are not authenticated to view the full text of this chapter or article.

This site requires a subscription or purchase to access the full text of books or journals.

Do you have any questions? Contact us.

Or login to access all content.